Amianto na cerveja foi responsável por aumento de câncer, diz estudo
Últimos destaques Novo

Amianto na cerveja foi responsável por aumento de casos de câncer, diz estudo

amianto câncer cerveja
Cancerígeno, amianto era usado na década de 1970 por donos de pubs ingleses para filtrar restos e servir no dia seguinte

Cientistas da Universidade de Liverpool descobriram que o crescimento significativo de câncer de esôfago nos últimos 50 anos no Reino Unido e em outros países pode ter ligação com a ingestão de amianto junto de cerveja.

O uso da fibra era bastante comum na década de 1970 como parte de um método de filtragem de restos de cerveja e outras bebidas alcoólicas. Esse processo era adotado por donos de pubs, visando reaproveitar restos e vendê-los a clientes “desatentos” no dia seguinte.

Leia também – Morador de Londres gasta duas vezes mais em cerveja do que demais britânicos

Até a década de 1970, os efeitos cancerígenos do amianto eram pouco conhecidos. Com o crescimento das preocupações acerca dos efeitos colaterais da substância, ela foi perdendo espaço em diversas indústrias em que era largamente usada – no Brasil, foi explorada desde a década de 1940 e só foi proibida definitivamente em 2017. No entanto, poucos estudos buscaram compreender as consequências da ingestão do produto no aparelho digestivo.

O trabalho de Jonathan M. Rhodes, professor de medicina, e de Rebecca C. Fitzgerald, pesquisadora da Universidade de Liverpool, foi publicado em maio pelo British Journal of Cancer, mas só ganhou repercussão nessa semana, após reportagem do tabloide The Sun sobre o assunto.

Publicidade

Canal pelo qual o alimento ingerido é levado da garganta até o estômago para o processo de digestão, o esôfago tem funcionamento parassimpático, ou seja, faz movimentos involuntários de contração para “empurrar” o alimento para baixo. 

A incidência de câncer no esôfago aumentou seis vezes no Reino Unido nos últimos 50 anos e hoje mata cerca de 8 mil pessoas por ano. A letalidade, no entanto, é maior entre os homens: 90% das vítimas são do sexo masculino.

O amianto no Reino Unido
No estudo, os autores afirmaram que “parece plausível que fibras de amianto ingeridas – incluindo, mas não se limitando às presentes em cerveja consumida antes de 1980 – podem ser fator significante para o adenocarcinoma de esôfago que afeta prioritariamente indivíduos do sexo masculino em certos países”.

No entanto, o longo intervalo de tempo (décadas) entre a exposição inicial ao amianto e a manifestação do câncer os levou a inferir que a substância age como promotor da doença – e não como seu principal gerador.

O Reino Unido é o país com a maior incidência de mesotelioma, o câncer que se desenvolve a partir da exposição ao amianto. Quase todos os casos se relacionam à exposição anterior à década de 1980. O uso do amianto do tipo crocidolite, também chamado de amianto azul, foi interrompido lá em 1970, enquanto a amosite (o amianto castanho) foi proibida no final da mesma década.

Das 2542 mortes por esse tipo de câncer em 2015, apenas três foram de indivíduos nascidos após 1975, o que corrobora a hipótese do estudo. Se o padrão se repetir, o Reino Unido estará livre das mortes por mesotelioma em 2055, quando todos os possíveis afetados terão mais de 90 anos.


0 Comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password