Produção de bebidas alcoólicas tem recuperação expressiva em setembro
Últimos destaques Novo

Produção de bebidas alcoólicas tem recuperação expressiva em setembro

Apesar de ambiente de "incerteza", elevação da fabricação de bebidas alcoólicas foi de 10,9%, segundo o IBGE

Após três meses de queda, a produção de bebidas alcoólicas voltou a crescer no Brasil em setembro. A elevação da fabricação foi relevante, de 10,9%, de acordo com dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Contribuiu, portanto, para elevar o ritmo da produção industrial, que subiu 0,3% no nono mês do ano.

Assim, a produção de bebidas alcoólicas ampliou o crescimento em 2019, agora em 5,3% até setembro. Já o aumento no período de 12 meses é de 3,3%.

O cenário de crescimento na fabricação em setembro se repete na indústria de bebidas em geral. Houve elevação de 10,4% no nono mês do ano, com os dados também sendo positivos em 3,6% no somatório de 2019 e em 1,8% nos últimos 12 meses.

Publicidade

O crescimento se repetiu com a produção de bebidas não-alcoólicas: a elevação foi de 9,9% na comparação com o mesmo período de 2018. Há, também, aceleração de 1,8% nos nove primeiros meses de 2019, com estagnação – 0,0% – no acumulado dos últimos 12 meses.

Também correu melhora, ainda que tímida, nos  números para a indústria nacional, com crescimento de 0,3% no nono mês de 2019, na comparação com agosto. A produção também se elevou 1,1% em relação a setembro de 2019. Porém, há encolhimento de 1,4% em 2019 e nos últimos 12 meses.

“Temos o crescimento na produção da indústria por dois meses consecutivos, algo que não vemos desde março e abril de 2018. A observação é que esse crescimento está concentrado em poucas atividades: 11 das 26 atividades mensuradas pela pesquisa. O ideal é que esse crescimento atinja um número maior de setores”, explica André Macedo, gerente da pesquisa.

“Temos um ambiente de incerteza no mercado, com parte das famílias adiando as decisões de consumo, os trabalhadores fora do mercado de trabalho e a diminuição na demanda”, acrescenta Macedo.


0 Comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password