Entenda o caso Backer, o que é o dietilenoglicol e a visão do mercado
Últimos destaques Novo

Caso Backer: Entenda a polêmica, o que é o dietilenoglicol e a visão do mercado

backer
Diante do " risco iminente à saúde pública", Mapa interditou a cervejaria e determinou o recolhimento da Belorizontina

A Polícia Civil de Minas Gerais e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) estão investigando como uma substância tóxica – o dietilenoglicol – foi parar na Belorizontina, da cervejaria Backer. A apuração começou após dez pessoas serem internadas com sintomas de uma síndrome desconhecida – um homem de 55 anos faleceu.

Leia também – Mapa fecha fábrica da Backer e determina recolhimento da Belorizontina

A investigação da vigilância sanitária, então, identificou que todos os pacientes consumiram a mesma marca de cerveja no mesmo bairro de Belo Horizonte, fato que chamou a atenção e colocou a Belorizontina como principal suspeita de ter causado dores abdominais, náuseas, vômitos, insuficiência renal e problemas neurológicos, como perda de visão e paralisia facial.

Amostras da cerveja na casa dos pacientes foram recolhidas e enviadas para uma perícia técnica no Instituto de Criminalística da Polícia Civil. E o resultado, divulgado na quinta-feira, apontava para a presença da substância dietilenoglicol.

“Informo que nas duas amostras de cerveja encaminhadas pela vigilância sanitária do Município de Belo Horizonte (cerveja Pilsen marca Belorizontina, lotes L1 1348 e L2 1348) foi identificada a presença da substância dietilenoglicol em exames preliminares. Ressalto que estas garrafas foram recebidas lacradas e acondicionadas em envelopes de segurança da vigilância sanitária municipal n. 0024413 e 0021769, respectivamente, informou a Polícia Civil.

Na sexta-feira, diante do ” risco iminente à saúde pública”, o Mapa interditou a cervejaria, determinou o recolhimento de todas as garrafas de Belorizontina que estão no mercado e ainda apreendeu 16 mil litros da bebida que estavam na Backer.

A substância e a contaminação
O dietilenoglicol é usado como anticongelante em sistemas de refrigeração ou como diluidor de algumas substâncias químicas. Uma cervejaria, por exemplo, poderia colocá-lo na água para resfriar o mosto e para manter baixa a temperatura dos tanques durante a fermentação e a maturação.

Segundo o mestre-cervejeiro Luiz Signoretti, gerente de processos da Dortmund, de Serra Negra, em nenhum dos casos a substância entra em contato com a cerveja. “Para que haja uma contaminação tem que haver algum tipo de falha nas soldas internas dos tanques”, esclarece Signoretti, que possui 25 anos de profissão.

Publicidade

Já Carlo Lapolli, presidente da Associação Brasileira da Cerveja Artesanal (Abracerva), diz que é muito raro um vazamento nas serpentinas do sistema de refrigeração. Mesmo que aconteça, acrescenta ele, a solução não vai para dentro dos tanques pois ela é aplicada em uma camada externa, sem contato direto com a cerveja.

“Vazamento para dentro do tanque é uma coisa muito rara, eu particularmente não tenho notícia desse tipo de contaminação em nenhuma cervejaria do mundo”, ressalta o presidente da Abracerva.

Há, ainda, segundo Lapolli, outra questão importante: para fazer mal dessa forma ao ser humano, a concentração de dietilenoglicol teria que ser extremamente alta na cerveja. “Ele é usado de forma diluída e, mesmo que houvesse um vazamento, ele seria ainda mais diluído nos milhares de litros de cerveja no tanque e não causaria dano”, avalia.

O uso nas cervejarias
Outro ponto que chama a atenção é que o dietilenoglicol, em geral, não costuma ser usado pelas cervejarias por ser muito caro. A prática do mercado é usar etanol diluído em água para agir como anticongelante, que é bem mais barato.

Em comunicado, a própria cervejaria Backer diz que não utiliza o dietilenoglicol em nenhuma etapa do processo de produção. “A Backer reforça que a substância dietilenoglicol não faz parte de nenhuma etapa do processo de fabricação de seus produtos, inclusive da Belorizontina. E reitera que continua colaborando com as autoridades e que se solidariza com as famílias envolvidas.”

Fato é que o caso ainda tem muitas questões a serem respondidas pela investigação, como aponta Luiz Signoretti, da Dortmund. “Devemos esperar por mais avaliações, feitas por mais de um laboratório, para evidenciar se de fato a substância está na cerveja. E, estando, ainda tem que se provar que de fato esse produto veio da cervejaria. Acredito que é muito prematuro fazer qualquer julgamento.”

Impacto no mercado
A repercussão, porém, já começa a causar impacto no pujante mercado de cerveja artesanal brasileiro. A cervejaria Mago do Malte/Landbier, de Presidente Prudente, teve nesta sexta-feira dois pedidos de venda cancelados depois da repercussão.

“Acho que, em um primeiro momento, ocorrerá uma queda de credibilidade nas cervejas artesanais. À medida das conclusões investigativas, porém, a credibilidade voltará”, projeta Luiz Carlos Freitas, proprietário da cervejaria.

Mesmo antes da determinação do Mapa, a Backer estava recolhendo do mercado os lotes citados no laudo. A cervejaria ainda disponibilizou um número de telefone para que os consumidores que tenham garrafas desses lotes agendem a retirada. O número exclusivo para esse serviço é o (31) 99536-4042.


3 Comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password