Corona cria museu a céu aberto que reproduz obras com sacolas plásticas
Últimos destaques Novo

Corona cria exposição que reproduz obras clássicas com sacolas plásticas

museu
Um dos ícones da história da arte, Monalisa foi recriada por Eduardo Srur. Exposição a céu aberto será na Paulista, em São Paulo, e vai até domingo

A Corona desenvolveu uma ótima iniciativa para fortalecer sua campanha contra a poluição marinha pelo plástico. Ao lado da Parley for the Oceans, a marca criou um museu a céu aberto com a reprodução de clássicos da história da arte de domínio público.

A exposição começou nesta segunda-feira, na Avenida Paulista, em São Paulo, e vai até domingo. As recriações do museu são assinadas pelo artista Eduardo Srur e trazem reproduções de clássicos como Monalisa, de Leonardo da Vinci, e O Grito, de Edvard Munch.

Mas as obras de Srur trazem um detalhe especial: com o mote “Qual legado vamos deixar para o mundo”, elas são feitas somente com sacolas plásticas para “mostrar que o plástico na natureza dura tanto quanto obras-primas da história da arte e como esse material impacta negativamente o meio-ambiente”, segundo descreve a Corona.

Leia também: Artista utiliza tampinhas recicladas para recriar clássicos da história da arte

“Se estas obras estão a mais de 100 anos na história da civilização, o plástico que você joga na natureza também estará. O oceano é a mãe de todos os rios, portanto o plástico que jogamos nas ruas de São Paulo irá para os nossos poluídos rios metropolitanos que deságuam no mar”, comenta Eduardo Srur.

Além de Monalisa e O Grito, o artista recriou obras como A Grande Onda de Kanagawa, de Hokusai; Chaleira e Frutas, de Paul Cezzanne; A Noite Estrelada, de Van Gogh; e Nenúfares, de Monet.

Publicidade

Anualmente, conforme lembra a Corona, mais de 8 milhões de toneladas de lixo plástico são despejadas no mar em todo mundo. “São Paulo é a cidade mais populosa da América do Sul e recebe milhares de visitantes diariamente e sabemos do potencial que isso representa para o combate ao plástico nos oceanos”, pontua Bruna Buás, diretora de marketing da Corona.

“E essa parceria com o Eduardo Srur é o primeiro passo para que essas pessoas se envolvam ainda mais com a causa, já que os paulistanos também têm um papel fundamental de agente de mudança para ajudar a proteger nossos paraísos”, complementa Bruna.

Leia também: Bicampeão mundial, Medina reforça estratégia de “vida na natureza” da Corona

Ao final da exposição, as obras serão leiloadas e toda a verba arrecada será direcionada para o Pimp My Carroça, um movimento que atua desde 2012 para tirar catadores de materiais recicláveis da invisibilidade por meio da arte, sensibilização, tecnologia e participação coletiva.

O leilão será feito online, pelo site https://www.blomboleiloes.com.br, e começará já no domingo, sendo finalizado na próxima segunda-feira.


0 Comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password